A demanda das marcas em possuir um aplicativo para aumentar as vendas do seu negócio cresceu muito nos últimos anos. Muitas vezes, as empresas que desenvolvem projetos mobile não conseguem ter uma abordagem didática para informar aos seus clientes sobre as vantagens de terem um app nativo. A chegada dos aplicativos híbridos tornou essa tarefa ainda mais difícil.

Se formos pensar apenas em design de interface (UI) e experiência do usuário (UX), as diferenças entre Híbridos e Nativos existem mas estão em alguns detalhes. Contudo, os ganhos de performance quando pensamos na usabilidade do segundo são muito mais explícitos. Isso porque os aplicativos híbridos apenas simulam uma experiência nativa. Na verdade, eles são aplicativos na linguagem html e java que serão “embrulhados” em uma carcaça nativa.

Veja aqui o artigo que compara apps nativos, híbridos e web app.

Já os nativos, são desenvolvidos na linguagem de cada sistema, iOS e Android. Velocidade, desempenho, funcionalidades são superiores quando o app é nativo. Isso dá mais liberdade para as marcas criarem conteúdos exclusivos que sejam ainda mais criativos e atrativos para seus usuários.

Claro que existem vantagens em ter um aplicativo híbrido, como os custos e o tempo de implementação. Eles são ideais quando se tem uma ideia de app que ainda não se sabe se será aceita pelo seu público. Às vezes, fazer um híbrido para testar se as pessoas querem ter o seu aplicativo, pode ser uma boa estratégia.

Vantagens do app nativo: acesso à funcionalidades exclusivas

Como dito anteriormente, tanto para performance quanto para interações inovadoras, aplicativos nativos são claramente mais vantajosos. A chance do app encerrar inesperadamente, velocidade de respostas e novas funções exclusivas são exemplos disso.

Algumas das funções que só são possíveis em aplicativos nativos são:

  1. NFC (Near-Field Communication): permite a troca de informações com aparelhos com o aplicativo através da proximidade;
  2. Luz Ambiente: é um sensor de ambiente que irá captar informações, como: luz ambiente, temperatura e umidade.
  3. Contatos: só nativos tem acesso a lista de contato do celular do usuário;
  4. Geofencing: essa funcionalidade permite enviar uma notificação push para os usuários que entram ou saem de um determinado raio geográfico. Pode ser um raio a partir da localização de uma loja, enviando um push de promoção ou cupom de desconto;
  5. Inter-app Communication: transferência de dados e compartilhamento de ações e informações entre aplicativos nativos. Ex: abrir o mapa de lojas em um app, clicar e ele direcionar para um aplicativo de navegação GPS. Ou clicar em um botão de compartilhar em um app e ser direcionado para o Facebook para postar no seu mural. Dentre outras.

Mas além disso, a navegabilidade também é influenciada pela natividade. Vamos tentar explicar melhor o que essa diferença representa para os usuários.

Design e usabilidade do app nativo: as diferenças entre iOS e Android

Cada plataforma (iOS e Android) disponibiliza Guidelines (Guias) para desenvolvedores e designers. Essas guias são “regras” para padronizar o acesso às funções dos apps. Por exemplo, onde que deve ficar localizado o Menu, como ele deve ser visualizado e acessado, como é e onde fica o botão de compartilhamento, dentre outros.

Veja abaixo alguns exemplos.

  1. Logo no Header (cabeçalho).
    Apesar de ser uma pequena diferença, não deixa de ser uma diferença. Em Androids, ela fica localizada à esquerda do header, perto do símbolo do menu (que são as três linhas horizontais, também conhecido como menu “hamburguinho”). Já no iOS, a logo fica centralizada no header.
  2. Menu
    Enquanto no Android temos o Menu “hamburquinho”, no iOS o menu fica em uma barra no rodapé do app (parte inferior da tela), chamada de “TabBar”. No sistema da Google, você acessa as páginas do app pelo menu, clicando no “hamburguinho” na parte superior-esquerda da tela. Ele arrasta uma semi-tela da esquerda para a direita. No sistema da Apple, as opções ficam sempre visíveis na “TabBar”.
  3. Carrinho
    Primeiro, no Android, o ícone para a página do carrinho fica no menu e sempre visível no canto superior-direito da tela, ao lado da lupa de “Procurar”. No iOS, ele fica sempre visível na “TabBar”.
    Além disso, ao entrar na página do carrinho, a forma de se deletar itens adicionados também é diferente. No Android, ao ficar pressionando o ícone ou produto ou item do produto, você o seleciona para excluir. No iOS, é possível fazer esse comando arrastando o item para a esquerda.
    tela excluir ios e android
  4. Ícone “Compartilhar”
    A posição dos ícones é a mesma em ambos sistemas. O que muda é o design do ícone em si.
  5. Ordenar/Filtrar
    Para ordenar ou filtrar os resultados de categorias ou buscas é diferente para cada sistema. Enquanto no iOS os botões são visíveis na parte superior, logo abaixo do header, no Android é um botão redondo que fica “flutuando” no canto direito.

Conclusão

Enfim, esses são apenas alguns exemplos para deixar mais palpável a diferença entre as plataformas e porque criar um app nativo é tão importante. Contudo, além desses pontos levantados acima, existem algumas funções que são acessadas de maneira diferente pelos aplicativos.

Aqui na Fulllab, procuramos direcionar os nossos clientes para a escolha certa especificamente para cada negócio. Independente da escolha, garantimos sempre a melhor experiência possível no uso de um aplicativo mobile.